Mais um site desenvolvido pela Agência DropWeb para Gappa Produtos Tecnológicos

Quem trabalha com internet e mesmo aqueles que precisam disponibilizar sua página de web na rede, sabem a importância de ter um conteúdo de qualidade e uma arquitetura do site diferenciada dos demais. Qualquer empresa precisa estar atenta às novas demandas de mercado e conhecer as necessidades dos clientes. Hoje, uma demanda emergente é o design responsivo.

Isso só confirma como a estrutura de um site precisa estar adaptada a esta realidade. Acredite, é melhor investir em um site responsivo do que criar uma plataforma diferente para cada dispositivo tecnológico.

Vantagens:

– Experiência do usuário: um site com essa estrutura fortalece a experiência do usuário sem que a sua identidade visual seja prejudicada, além de tornar sua marca acessível em qualquer lugar.
– Gestão facilitada: ao atualizar as informações de seu site no sistema, todas as plataformas receberão o novo conteúdo, automaticamente.
– Ele se adapta aos diversos dispositivos, o que pode ajudar na hora de elaborar as estratégias de comunicação digital.
– Melhor posicionamento nos mecanismo de busca: os maiores buscadores como Google, Yahoo e Bing, recomendam a utilização da técnica, pois, seu algorítimo compreende melhor o layout que se adapta aos diversos formatos. Assim, o posicionamento na busca sobe.
– Carregamento de dados mais eficaz: estudos já apontaram que os sites responsivos carregam as informações com maior rapidez que outros.
– Acessível em todos navegadores:

apresentação-Gappa2

Criação de Marca e Identidade Visual para cliente Gregory Winter – Próteses Odontológicas

Projeto de Branding, estratégia de marca e posicionamento
TRABALHOS EXECUTADOS

Naming, Posicionamento e Estratégia de Marca
Logotipo
Folder
Impressos institucionais
Rótulos
Site para Internet


apresentação

Temos o orgulho de apresentar nosso mais novo cliente, O EMPÓRIO DO PAMPA.

Temos o orgulho de apresentar nosso mais novo cliente, O EMPÓRIO DO PAMPA.

A agência DROP assumiu a conta digital e será responsável pelo Design, Identidade da Marca e sua Tecnologia de Informação.

A Empório do Pampa é referência em cortes de carnes e produtos de elevado padrão de qualidade, por meio de um minucioso processo de seleção, privilegiando a qualidade e o sabor! Localizada no Endereço: Rua Senador Alberto Pasqualini, 256 – Verena, RS, 96820-050, Telemóvel:(51) 3902-2080

Post-Emporio-Drop

Infográfico: o que mais influencia os consumidores a recomendar marcas e produtos nas redes sociais e a considerar a decisão de comprar

Social Recommendations Index 2nd Edition

O que inspira os consumidores a realizar uma compra, recomendar uma marca nas redes sociais ou falar algo positivo sobre uma empresa? O Social Media Link entrevistou mais de 24 mil consumidores de mídia social para descobrir o porquê.

Dos entrevistados, 71% dizem confiar mais em um produto visto no Facebook do que em qualquer outra rede social. Uma vez que compram os produtos, 54% divulgam sua aquisição na plataforma de Mark Zuckerberg.

Social Recommendations Index 2nd Edition

Para pesquisar por outras empresas que oferecem um mesmo tipo de produto ou descobrir novas marcas e serviços, 53% dos entrevistados disseram que utilizam o Facebook, sites de marcas, distribuidores e varejistas. Quando já existe o interesse pela compra de um produto ou serviço, 58% das pessoas preferem ir diretamente ao site do produto para obter maiores informações.

Quando a pergunta foi o que motiva o consumidor a escrever uma avaliação, 93% responderam que a razão é uma experiência positiva com o produto, 79% alegaram que o fato de receberem uma amostra ou unidade grátis, e 71% escreveriam um review se a experiência foi negativa.

Sobre o que mais impacta os consumidores, 77% relataram que a influência dos familiares e amigos é crucial para a decisão de compra, e 53% disseram que confiam na opinião de um profissional. Quanto à influência de uma avaliação ou recomendação de um produto ou serviço, 83% prestam atenção a histórias pessoais, 74% em listas de prós e contras, e 62% nas avaliações em forma de pontuações, as famosas “quantidade de estrelas” e “nota de zero a 10”, entre outras.

Já quando um review foi feito em troca de uma amostra grátis, 88% dos entrevistados afirmam que a credibilidade é maior quando a uma resenha é feita por um conhecido, enquanto 78% confiam mais em blogueiros. Porém, se o post foi patrocinado esse índice cai para 48%.

Do's and Dont's of Social Media for SMEs

Infográfico: os acertos e erros das pequenas e médias empresas nas redes sociais

A presença nas mídias sociais é fundamental para a estratégia de marketing de uma empresa, principalmente para aquelas que estão começando agora ou querem expandir os seus negócios.

A Insurance Octopus criou um infográfico, uma espécie de guia para pequenas e médias empresas nas redes sociais. O “Faça Isso e Não Faça” traz informações sobre a frequência de publicação de postagens para engajar mais consumidores, dicas do uso adequado de hashtags, entre outras dicas para PMEs.

Do's and Dont's of Social Media for SMEs

Crie seus perfis com informações completas. Certifique-se de que a descrição do seu profile na rede social apresenta sua marca e explique quais produtos ou serviços sua empresa vende. Inclua um link ao seu site ou outra forma que as pessoas possam entrar em contato.

NÃO se inscreva em muitas redes sociais caso não terá tempo para manter todos os perfis. Pense em quais redes sociais seus potenciais clientes estão presentes e quais mídias possuem as melhores ferramentas para o seu negócio se tornar mais visível e se “venda” com mais facilidade.

Engaje com a audiência. Monte as postagens, fotos e vídeos de forma que o conteúdo seja interessante para manter os atuais seguidores e engajante para atrair futuros fãs. Responda aos comentários e perguntas o mais rapidamente possível, e mantenha o conteúdo a ser postado consistente com a identidade da marca.

– NÃO faça spam do seu conteúdo. A rede social deve ser usada para informar e mostrar o melhor da sua empresa, não para forçar uma venda. Não sobrecarregue sua timeline ou feed com muitas informações, considere o conteúdo mais relevante a ser postado.

Planeje a gerência de seus perfis. Crie um calendário mensal, programando dias especiais e/ou a periodicidade do conteúdo a ser postado. Desta forma, você pode ajudar a manter seus canais de comunicação em redes sociais sempre atualizadas e no tempo certo.

NÃO esqueça de monitorar. Você deve estar sintonizado nas redes sociais diariamente por comentários, sugestões, elogios e reclamações de consumidores e fãs, para que possa respondê-los da melhor maneira possível.

Considere o tempo certo para postar. Estude o comportamento de seus seguidores nas redes sociais e garanta que suas publicações tenham uma maior chance de serem vistas por seus fãs nas redes sociais. Determine uma frequência de postagens por dia, melhores horários e dias da semana para publicações.

NÃO poupe recursos. Não subestime o que é preciso para manter perfis em redes sociais. Novas publicações precisam ter conteúdo atualizado com as atuais notícias e mudanças do mercado, enquanto que deve-se haver responsabilidade com postagens em tempos regulares e interações com quaisquer comentários ou contatos dos consumidores e seguidores.

Use links e hashtags. Os links podem ser usados para direcionar o tráfego para seu site, enquanto que as #hashtags ajudam a organizar e manter visíveis suas publicações. Hashtags únicas e que representam melhor sua marca, produto ou serviço podem ajudar seus consumidores e fãs a encontrarem seu conteúdo de forma mais fácil e rápida, bem como consolidar sua marca.

NÃO faça uso excessivo e desnecessário de hashtags. Ninguém gosta de postagens com dezenas de hashtags inclusas. Limite-se a duas ou três hashtags que são cruciais para sua estratégia de marketing e tente inseri-las dentro da frase postada, ao invés de, somente em último caso, colocá-las no final da sentença. Uma hashtag no início da frase, dependendo da ocasião e da própria hashtag, pode chamar a atenção e engajar instantaneamente.

Recompartilhe conteúdo. Uma rede social é, antes de tudo, uma comunidade, ainda que virtual. Por isso, compartilhe e engaje com conteúdo de outras empresas ou pessoas que seja relevante para sua marca, produto ou serviço. Esta é uma grande oportunidade para se conectar com os outros e estabelecer uma relação com a rede de negócios que você faz parte.

NÃO plageie conteúdo. Recompartilhar é uma coisa, copiar é outra. Não republique conteúdo de terceiros como se fosse seu. Não que você não possa copiar conteúdo encontrado em outros sites e publicar em seu blog, por exemplo, mas sempre dê crédito ao criador, criando um link para a postagem original, por exemplo.

Faça seu conteúdo se destacar na timeline ou feed. A variedade é fundamental quando “enfrentar” vários tipos de conteúdo sendo publicados nas redes sociais. Faça uso de montagens de imagens, postagens em blogs, infográficos, dicas, vídeos e conteúdo especializado.

NÃO esqueça do visual. De infográficos a vídeos, postar conteúdo baseado em visual desperta a interação. O tempo é curto, então criar conteúdo que seja agradável aos olhos e rápido de consumir é primordial.

Respeite sua audiência. Você trabalhou duro para construir sua audiência, então não deixe-a ir embora sendo rude e agressivo. As pessoas gastaram seu tempo para entrar em contato com você, então gaste também seu tempo para interagir com elas. Seja positivo e enfatize seus potenciais, ao invés de focar-se em seus pontos fracos.

NÃO compartilhe ou interaja com conteúdo questionável ou de gosto duvidoso. Esta é uma linha tênue quando se trata de postagens em redes sociais. Pense seriamente sobre seu negócio antes de postar conteúdo que possa ser visto pelas pessoas com maus olhos.

Facebook Fan Page Call To Action

Facebook Fan Page Call To Action: como criar um botão customizado em sua página na rede social

Até o final de 2014, as fan pages criadas no Facebook só poderiam ter no topo os botões “Curtir”, “Mensagem” e “…”.

Agora, o proprietário de uma página na rede social de Mark Zuckerberg pode criar um botão personalizado, que, ao ser clicado, direciona o internauta a um link específico, seja um site externo, uma página dentro do Facebook ou um destino em um aplicativo.

Explicaremos, passo a passo, como criar um botão customizado em sua fan page no Facebook, de forma que possa oferecer ao internauta algo a mais que somente curtir sua página e interagir com sua marca, dando a ele a possibilidade de, por exemplo, fazer um cadastro em seu site, assistir a um vídeo ou até mesmo comprar algum produto.

– Logado como administrador de sua fan page no Facebook, acesse a tela principal de sua página. Usaremos a nossa fan page para ilustrar o processo. O procedimento é o mesmo para todas as páginas.

– Clique no botão “Criar Chamada Para Ação”, que está ao lado esquerdo do botão “Curtir”.

Facebook Fan Page Call To Action: Step 1

– Escolha o texto que você deseja que esteja escrito neste botão. As opções são: “Reservar Agora”, “Fale Conosco”, “Usar Aplicativo”, “Jogar”, “Comprar Agora”, “Cadastre-se” e “Assistir Ao Vídeo”.

Facebook Fan Page Call To Action: Step 2

– No campo “Site”, digite o URL da página que gostaria que o internauta seja direcionado quando clicar no botão customizado (ex.: http://www.dropweb.com.br/contato).

Opcionalmente, pode-se definir um site específico para dispositivos móveis (ex.: http://m.facebook.com/profile.php?id=166484360032267).

Após, clique em “Próximo”.

Facebook Fan Page Call To Action: Step 3

– Os dois últimos passos referem-se ao comportamento do botão quando for pressionado em um dispositivo móvel iOS (iPhone ou iPad) ou Android.

Caso queira que o destino seja o mesmo que quando o usuário estiver em um computador ou notebook (o site definido no passo anterior), deixe a opção “Site” selecionada e clique em “Próximo”.

Facebook Fan Page Call To Action: Step 4

No entanto, se você tiver um aplicativo criado para dispositivos móveis, você pode escolher a opção “Aplicativo” e determinar o URL customizado do deep link do iOS ou Android para o seu aplicativo.

Para o Android, o deep link é opcional, e ainda é possível especificar o nome do pacote do seu aplicativo.

Para ambos os sistemas operacionais, deve-se informar o destino alternativo para quem não tiver o seu aplicativo instalado no dispositivo.

Por padrão, este campo já vem preenchido com o site informado no segundo passo. Caso desejar que o usuário seja direcionado para outra URL, como por exemplo, a versão mobile de seu site, basta informá-lo neste campo.

Facebook Fan Page Call To Action: Step 5

– Clique no botão “Criar”. Seu call to action está pronto!

Facebook Fan Page Call To Action: Step 6

– Ao mesmo tempo que o novo botão aparece em sua fan page, um novo item aparece na lista de contadores à direita da foto da capa.

Você pode verificar quantas pessoas clicaram no botão customizado, permitindo acompanhar o andamento de sua campanha, e tomar decisões quanto à manutenção do recurso, troca da ação ou exclusão do botão.

Facebook Fan Page Call To Action: Step 7

– Para editar o botão, basta pressioná-lo. No menu que aparece, escolha a opção “Editar Chamada Para Ação” e repita os passos acima.

Caso queira excluir o botão, basta escolher a opção “Excluir Chamada Para Ação” e confirmar a operação no diálogo que imediatamente aparece, clicando no botão “Excluir”.

Saiba como construir programas de fidelidade usando dados estatísticos e percepções sobre seus consumidores

Programa de Fidelidade

Todos sabem que, a cada dia, está cada vez mais difícil conquistar a fidelidade do consumidor. Ele estão sempre conectado à internet, possui várias opções de escolha, e pode facilmente encontrar os menores preços.

Ao criarem um programa de fidelidade, muitas empresas acham que resolveram o problema da competitividade, mas a concorrência também usou da mesma tática.

Os consumidores se inscrevem, em média, em oito programas de fidelidade. A maioria deles funciona pelo sistema de pontos, descontos e recompensas. E estes benefícios são feitos para aumentar as vendas ao invés de gerar engajamento à marca.

Abordagens tradicionais já não funcionam mais. Isto não quer dizer que você deve abandonar seu programa de fidelidade e partir para outra abordagem. Ao invés disso, reformule a maneira de engajar seu consumidor.

Diversas ferramentas, como experiência, marca e serviço, podem ajudar na interação e fidelização do consumidor. Os anunciantes podem auxiliar as marcas a obterem o feedback dos consumidores, saberem o que os motiva e como podem interagir com os produtos e serviços da empresa.

Apenas 26% das marcas citam tudo isso como objetivo de seus programas de fidelidade. Não apenas possua um programa de fidelidade, você deve fidelizar. É hora de focar na relação com o consumidor e realizar uma troca significativa com ele.

Deve-se encorajar as pessoas a compartilharem perfis, preferências e comportamentos, além de todos os dados possíveis e que possam ser usados pela empresa para elaborar programas de fidelidade.

Os dados colhidos no programa de fidelidade ajudam a identificar o tipo certo de novos consumidores e tipos de iniciativas de marketing para reter clientes já existentes.

Uma experiência positiva do consumidor está relacionada a métricas de fidelidade, por exemplo, retenção. Mas é difícil construir experiências diferenciadas com base no que você pensa que sabe sobre os consumidores. Percepções de fidelidade, combinados com outras fontes de dados, podem ajudar a criar experiências personalizadas.

Hoje, os profissionais de marketing devem criar experiências que vão além dos produtos e serviços. Percepções de fidelidade oferecem informações para um melhor desenvolvimento destas experiências. Depois de examinar dados de um programa deste tipo, um varejista que vende na internet pode rever sua estratégia de marca.

Programa de Fidelidade

A fidelidade não funciona só quando ele mostra seu cartão de no caixa para receber a recompensa, também reforça a relação com o consumidor, e ajuda na descoberta de novos produtos e melhora o serviço prestado a esses clientes.

Os programas de fidelidade com pontos, descontos e prêmios, como conhecemos hoje, morreram. É hora de construir uma estratégia que começa no entendimento das atitudes do consumidor e aprimorar a abordagem com o mesmo.

Foque em como melhorar o relacionamento com o consumidor. Incorpore benefícios que engajem os consumidores a um nível emocional, e melhore seus processos de gerenciamento dos dados, para aplicá-los no programa de fidelidade e otimizá-lo.

Crie uma métrica de fidelidade. A fidelidade é o resultado de várias atividades, incluindo branding, marketing, experiência e serviço prestado ao consumidor. As empresas precisam de métricas para mapear a fidelidade durante toda a campanha. A centralização desta abordagem ajuda todos a entender se as iniciativas realmente estão contribuindo com a fidelidade dos consumidores a longo prazo.

Inspire-se em casos de sucesso. Empresas com ótima reputação pública de fidelidade, como Amazon e Starbucks, apenas fazem negócios de forma diferente. Não se deve imitar o modelo de negócio delas, mas identifique por qual motivo os consumidores são leais àquelas marcas, e use suas descobertas para direcionar todos os seus esforços nas suas campanhas de fidelidade.

Marketing de Conteúdo: um guia prático para conquistar consumidores

Charm, Convert, Retain: A Marketer's Guide to Dating. An Comparative Infographic Between Dating and Content Marketing. Um infográfico que dá dicas para conquistar consumidores com Marketing de Conteúdo.

Conquistar um consumidor é como conquistar um grande amor. Não se deve dizer “compre meu produto” quando alguém se torna seu fã no Facebook ou segui-lo no Twitter. Da mesma maneira, não se deve pedir a outra pessoa em casamento no primeiro encontro.

Como atrair possíveis consumidores para um relacionamento sério, ou melhor, para engajá-los com sua marca?

Fazendo uma bem humorada relação com um relacionamento amoroso entre duas pessoas, o infográfico da Constant Contact lista alguns fatos que profissionais de content marketing podem aprender com a “arte da conquista” para reter novos consumidores.

Charm, Convert, Retain: A Marketer's Guide to Dating. An Comparative Infographic Between Dating and Content Marketing. Um infográfico que dá dicas para conquistar consumidores com Marketing de Conteúdo.

Atraia. Seja visto e lembrado pelos potenciais consumidores. Crie conteúdo designado para dar notoriedade à marca e direcionar o tráfego para seu site, fanpage no Facebook ou perfil no Twitter.

Faça charme. Conheça seu consumidor. Crie conteúdo valoroso, profundo e designado para gerar confiança e fortalecer o relacionamento entre o vendedor e o comprador.

Converta. Venda-se ao cliente. Você nutriu o seu público com seu conteúdo, agora é hora de fazê-los saber por que seu produto ou serviço é bom para eles.

Retenha. Mantenha seu relacionamento com o cliente. Agora que você fez uma venda e realizou uma conversão, é necessário manter o interesse de seu cliente com um conteúdo ainda mais atraente.

Facebook vs. YouTube: como os anúncios em vídeo funcionam nas duas plataformas? Saiba como escolher a melhor para a sua campanha.

Video Ads: Facebook vs. YouTube

Os anunciantes querem atrair o máximo de visualizações possíveis em seus anúncios com vídeo, mas, é claro, só querem pagar pelas pessoas que realmente os assistirem. O anúncio em vídeo do Facebook, que possui o recurso autoplay, e o TrueView do YouTube, são as opções disponíveis no momento.

Quais são os aspectos e parâmetros que os profissionais de marketing devem estudar para escolher a melhor ferramenta de anúncios em vídeo para sua campanha? A segmentação, o custo, e como o público interage com o conteúdo, são alguns dados que devem ser avaliados no momento da criação.

As pessoas acessam o YouTube para, obviamente, assistir vídeos, então, os visitantes podem estar mais propensos a assistir anúncios, e, principalmente, a ouví-los, ao contrário de quando o mesmo internauta está no Facebook.

Entretanto, as pessoas estão cada vez mais vendo vídeos no Facebook, que já recebe três bilhões de visualizações por dia. Para assisitir a um anúncio em vídeo na rede social de Mark Zuckerberg, a pessoa deve ter previamente efeutado login em sua conta.

Isso permite que os profissionais de marketing segmentem seus anúncios de acordo com a idade, sexo, localidade e interesses de seu público-alvo. O YouTube oferece categorias de targeting parecidas, mas nenhuma é igual às do Facebook, de acordo com executivos de agências. Alguns anunciantes compensaram esse percalço, segmentando suas campanhas em categorias de canais do YouTube, como “moda” e “diy” (“do it yourself”, ou “faça você mesmo” em português).

Tanto no Facebook quanto no YouTube, o profissional de marketing apresenta um orçamento e informa o público de interesse que quer atingir. É oferecido um custo fixo por mil impressões e a quantidade de visualizações estimadas por dia.

A plataforma do Google pede que o anunciante determine o valor máximo por uma visualização completa, e então estima o custo médio por visualização e o custo por número de visualizações em um dia.

O valor investido pela campanha pode ser inferior ao seu orçamento, dependendo de quantas impressões o Facebook é capaz de oferecer, mesmo que os anúncios em vídeo não sejam assistidos até o final, e de quantas visualizações o YouTube pode disponibilizar. Tanto o Facebook como o YouTube vendem anúncios em vídeo por meio de leilões. Quando se leva em conta variáveis como objetivos e métricas, os dois produtos não diferem muito em preço.

Preço e custo não são a mesma coisa. Uma grande vantagem do TrueView do YouTube é que os anunciantes são cobrados somente quando o espectador assiste ao vídeo do anúncio até o fim, resultando em um custo por visualização mais acurado. O Facebook cobra pela visualização, e começa a contá-la a partir dos três segundos do vídeo.

Com o Facebook, é importante ter certeza de que os relatórios dessas visualizações sejam claras. A rede social reporta detalhes, como quantas visualizações duraram por 50%, 75% e 100%, então, os profissionais de marketing podem calcular o custo efetivo de um anúncio autoplay.

Infográfico: existe solução para os anunciantes no Facebook?

Infographic: The end of the Facebook Free-For-All

O Facebook mudou novamente o algoritmo do seu feed de notícias. Isto dificultou ainda mais o alcance das marcas com seus posts orgânicos e força os anunciantes a repensar suas estratégias na rede social.

Se você é uma grande marca, somente 2 a 8% dos seus fãs visualizarão os posts que você insere no Facebook. A rede social afirma que essas alterações visam a satisfação dos usuários. Ao mesmo tempo, a receita publicitária da plataforma continua a crescer.

Será que os anúncios pagos são a única esperança para as marcas? Será que o fim da gratuidade para todos? Se sim, o que os anunciantes podem fazer a respeito?

O infográfico da Marketo explora a relação do Facebook com as marcas.

Infographic: The end of the Facebook Free-For-All

As novas regras de privacidade implantadas para uso pelos usuários dificultou ainda mais a criação de promoções pelas marcas no Facebook, forçando os anunciantes a repensarem suas estratégias na rede social.

De fevereiro de 2012 a março de 2014, o alcance dos posts orgânicos no Facebook caiu de 16,00% para 6,51%. Atualmente, apenas de 2% a 8% dos fãs vêem os posts de fan pages de grandes marcas, e apenas 0,073% dos fãs interagem com os posts, seja com curtidas, compartilhamentos ou comentários.

O Facebook alega que as novas regras de privacidade deixaram os usuários mais felizes, pois eles querem ver mais publicações de seus amigos do que promoções de marcas, o que obriga as marcas a gastarem mais ainda com anúncios dentro da rede social.

Apesar de tudo, o Facebook não pode ser uma rede social a ser abandonada pelas marcas a curto prazo, pois há mais de 890 milhões de usuários ativos, e há um aumento de adesões por volta de 18% a cada ano.

Uma saída para aumentar sua visibilidade no site de Mark Zuckerberg. Postar vídeos no Facebook gera mais tráfico atualmente que vídeos hospedados no YouTube. Atualmente, há mais de um bilhão de visualizações de vídeos nativos do Facebook.

Também há outras alternativas para a marca aumentar seu retorno sobre o investimento:

Investir no Instagram. O aplicativo de fotos gera 58 vezes mais interações de usuários para a marca que no Facebook.

Focar-se no que seu site pode oferecer. Em 2014, 61% das ações em campanhas direcionaram usuários para os sites das marcas, bem mais do que os 28% em 2012. Já os cliques que direcionaram ao Facebook diminuíram de 31% para 16%. Os fãs de uma marca podem ficar até três vezes mais potencialmente dispostos a visitar seu site do que a se engajarem com a empresa no Facebook.

Não se esquecer do e-mail marketing. Em 2014, haviam por volta de 4,1 bilhões de contas de e-mail. Em 2018, a previsão é de que existam 5,2 bilhões de e-mails. Há uma média de três contas de e-mail para uma do Facebook e outra do Twitter. Há uma taxa de entrega de e-mails de 90% em uma campanha de newsletter, enquanto que a taxa de entrega de posts em uma campanha no Facebook é de apenas 2%.